Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese



ONLINE
4




 

Site Philosofia Grega: figura de uma coruja com chapéu de formatura

Site Um passo: Dê o primeiro passo acesse um passo: desenho de dois pés descalços andando para a frente




PSICÓLOGO GEOFILHO FERREIRA MORAES
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA

Por: psicólogo Geofilho Ferreira MOraes
CRP-12/10.011
Data: 14 de abril de 2011

O texto abaixo apresenta a história da psicologia em diferentes contextos por qual essa foi se modificando,  de uma disciplina para uma ciência.
Embora o texto seja sobre o estudo da história da psicologia, entendo que os diversos fatores apresentados pelos autores como: o contexto em que se desenvolve a história, a economia, distorções intencionais ou não por parte de historiadores que podem ter modificado o curso da história e a compreensão que temos desta hoje, são fatores presentes em qualquer história.
Concordo com os autores, a história não é estática, está em mútua e constante transformação; a história não pode ser compreendida como estando acabada.
Reflita você mesmo!:

SCHULTZ, Duane P., SCHULTZ, Sydney E. História da Psicologia Moderna. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

Capítulo 1
O Estudo da História da Psicologia

O Desenvolvimento da Psicologia Moderna Forças Contextuais na Psicologia

A Relevância do Passado para o presente: Concepções da História Científica: personalista e Naturalista

Os Dados da História

As Escolas de Pensamento: Marcos do Desenvolvimento da Psicologia Moderna

Do mais antigo objeto produziremos a mais nova ciência.

Hernlann Ebbinghalb

On Memory

O Desenvolvimento da Psicologia Moderna

Começamos com um paradoxo, uma aparente contradição, ao observar que a psicologia é uma das mais antigas disciplinas acadêmicas e, ao mesmo tempo, uma das mais novas. O interesse pela psicologia remonta aos primeiros espíritos questionadores. Sempre tivemos fascínio pelo nosso próprio comportamento, e especulações acerca da natureza e conduta humanas são os tópicos de muitas obras filosóficas e teológicas. Já no século V A.C., Platão, Aristóteles e outros sábios gregos se viam às voltas com muitos dos mesmos problemas que hoje ocupam os psicólogos: a memória, a aprendizagem, a motivação, a percepção, a atividade onírica e o comportamento anormal. As mesmas espécies de interrogações feitas atualmente sobre a natureza humana também o eram séculos atrás, o que demonstra uma continuidade vital entre o passado e o presente em termos de seu objeto de estudo.
Embora os precursores intelectuais da psicologia sejam tão remotos quanto os de qualquer disciplina, a moderna abordagem psicológica teve início há pouco mais de cem anos. O centenário de nascimento da psicologia moderna foi comemorado em 1979.
A distinção entre a psicologia moderna e seus antecedentes estão menos nos tipos de perguntas feitas sobre a natureza humana do que métodos empregados na busca das respostas a essas perguntas.O que distingue a disciplina mais antiga da filosofia da psicologia moderna são as abordagens e as técnicas usadas, que denotam a emergência desta última como um campo de estudo próprio, essencialmente científico.
Até o último quarto do século XIX, os filósofos estudavam a natureza humana mediante a especulação, a intuição e a generalização baseadas em sua limitada experiência. Sucedeu uma transformação no momento em que os filósofos começaram a aplicar os instrumentos e métodos que já tinham se mostrado bem-sucedidos nas ciências físicas e biológicas a questões relativas à natureza humana. Somente quando os pesquisadores passaram a se apoiar na observação e na experimentação cuidadosamente controladas para estudar a mente humana é que a psicologia começou a alcançar uma identidade que a distinguia de suas raízes filosóficas.
A nova disciplina da psicologia precisava desenvolver maneiras mais precisas e objetivas de tratar o seu objeto de estudo. Boa parte da história da psicologia, depois de sua separação da filosofia, é a história do contínuo aprimoramento de instrumental, técnicas e métodos de estudo voltados para alcançar uma precisão e uma objetividade maiores tanto no âmbito das perguntas como no das respostas.
Se temos a intenção de compreender os complexos tópicos que definem e circunscrevem a psicologia de hoje, o ponto de partida adequado à perspectiva da história deste campo é o século XIX, O momento em que a psicologia se tornou uma disciplina independente com métodos de pesquisa e raciocínios teóricos característicos.
Não podemos negar que os primeiros filósofos e estudiosos especularam sobre problemas referentes à natureza humana; eles por certo o fizeram. "Quando examinamos os tópicos que hoje compõem a literatura da psicologia profissional" -escreveu Daniel Robinson, historiador de psicologia da Universidade Georgetoum-, "temos muita dificuldade para encontrar um que não tenha sido formulado, com freqüência de uma maneira a ser aperfeiçoada, [no] século XIX" (Robinson, 1981, pp. 390-391). No entanto, é limitada a influência desses primeiros estudiosos no desenvolvimento da psicologia como ciência distinta e essencialmente
experimental.
Somente há cerca de cem anos os psicólogos definiram o objeto de estudo da psicologia e estabeleceram seus fundamentos, confirmando assim sua independência em relação à filosofia. Os primeiros filósofos se preocuparam com problemas que ainda são de interesse geral, mas os abordaram de modos vastamente distintos dos empregados pelos atuais psicólogos. Esses pioneiros não eram psicólogos no sentido contemporâneo do termo, e discutiremos as suas idéias apenas quando apresentarem uma relação direta com o estabelecimento da psicologia moderna.
A idéia de que os métodos das ciências físicas e biológicas poderiam ser aplicados ao estudo de fenômenos mentais foi herdada do pensamento filosófico e das pesquisas fisiológicas dos séculos XVII a XIX. Essa época fervilhante constitui o cenário imediato do qual  surgiu a psicologia moderna. Enquanto os filósofos do século passado preparavam o caminho para a abordagem experimental do funcionamento da mente, os fisiologistas atacam independentemente dos mesmos problemas a partir de outra direção, e davam largos passos rumo à compreensão dos mecanismos corporais que estão na base dos processos mentais.
Seus métodos de estudo eram diferentes do procedimento filosófico, mas a eventual união dessas disciplinas apartadas -a filosofia e a fisiologia -produziram um campo de estudo em que, ao menos em seus anos de formação, se fez uma tentativa de preservar as tradições e crenças conflitantes de cada uma delas.
Felizmente, a nova psicologia logo conseguiu alcançar identidade e estaturas próprias.
O primeiro indício de um campo distinto de pesquisa conhecido como psicologia manifestou-se no último quarto do século XIX, quando o método científico foi adotado como um recurso para tentar resolver os problemas & psicologia. No decorrer desse período, manifestaram-se várias indicações formais de que essa disciplina começava a florescer. Em dezembro de 1879: em Leipzig, Alemanha, Wilhelm Wundt implantou o primeiro laboratório de psicologia do mundo. Em 1881, fundou a revista Phílosophische Studien (Estudos Filosóficos),considerada a primeira a revista de psicologia dedicada primordialmente a relatos experimentais.
Em 1887, G. Stanley Hall fundou o American Journal of Psychology, a primeira revista psicológica publicada nos Estados Unidos. E, em 1888, a Universidade
da Pensilvânia nomeou James McKeen Cattell, um americano que estudara com Wundt, professor de psicologia, a primeira docência em psicologia do mundo. Até então, os psicólogos trabalhavam em departamentos de filosofia. A posição de Cattell fez com que a psicologia fosse reconhecida nos círculos acadêmicos como disciplina independente.
Entre 1880 e 1895, ocorreram dramáticas e profundas mudanças na psicologia americana. Durante esse período, foram fundados vinte e seis laboratórios e três revistas de psicologia. A Associação Psicológica Americana (APA), a primeira organização científica e profissional de psicólogos, foi fundada em 1892.
A Associação comemorou seu centenário em 1992, com um número especial da revista American PsychoJogist dedicado à história da psicologia.
O psicólogo britânico William McDougall definiu a psicologia, em 1908, como a “ciência do comportamento, ao que parece pela primeira vez. Dessa forma por volta do começo do século vinte, a psicologia americana conseguia sua independência em relação à filosofia, desenvolvia laboratórios nos quais aplicar os métodos científicos, formava sua própria associação científica e definia-se formalmente como ciência - a ciência do comportamento”.
Uma vez estabelecida, a nova disciplina se expandiu com rapidez, em especial nos Estados Unidos, que assumiu e mantém uma posição de destaque no mundo psicológico.
Atualmente, mais da metade dos psicólogos do mundo trabalha nos Estados Unidos, e um grande número de profissionais de outros países teve ao menos uma parte do seu treinamento em instituições americanas. A maioria das populações psicológicas do mundo vem dos Estados Unidos. A Associação Psicológica Americana, fundada com vinte e seis membros, já incluía mil e cem Psicólogos em 1930. Em 1991, o número de associados passava de cem mil.
Essa explosão populacional de psicólogos tem convivido com a explosão paralela de informações prestadas por relatórios de pesquisa, artigos teóricos e revisões da literatura, arquivos de dados computadorizados, livros, filmes, fitas de vídeo e outras formas de publicação. Atualmente, o psicólogo tem cada vez mais dificuldade para manter-se atualizado sobre o desenvolvimento de outras áreas que não a de sua especialização.
A psicologia se expandiu não apenas em termos de seus clínicos, pesquisadores, acadêmicos e de sua literatura publicada, mas também em termos do seu impacto na nossa vida cotidiana. Seja qual for a sua idade, ocupação ou os seus interesses, a sua vida é influenciada de alguma maneira pelo trabalho de psicólogos.

A Relevância do Passado para o Presente

É provável que você esteja cursando esta disciplina por ser obrigado, porque o seu departamento de psicologia o exige para conceder-lhe um diploma. Se for assim, você com certeza não está sozinho. A maioria dos departamentos de psicologia das faculdades americanas exige este curso, e pesquisas periódicas
acerca da melhor preparação de estudantes de graduação e pós-graduação para uma carreira em psicologia continuam a recomendar o estudo da história do campo
(ver Hilgard, Leary e McGuire, 1991; McGovem, 1990; Moses, 1991).
Dentre todas as ciências, a psicologia é peculiar nesse aspecto. A maioria dos departamentos científicos não tem requisitos semelhantes; muitos não oferecem um curso que apresente a história do seu campo. Por que os psicólogos têm tanto interesse no desenvolvimento histórico  da sua área? Uma das razões se
relaciona com o que afirmamos antes, o fato de que há séculos as questões e os problemas de que se ocupa a psicologia vêm atraindo atenção e interesse.
Os estudiosos vêm tentando compreender o pensamento e o comportamento humanos desde os primórdios da história registrada. Seus esforços têm produzido muitas descobertas e conclusões respeitáveis, bem como  imprecisões e mitos. Como dissemos, muitas das interrogações feitas séculos atrás ainda são relevantes hoje, o que demonstra uma longa continuidade de problemas, embora não de métodos, no âmbito da psicologia, uma continuidade que não está presente em outras ciências. Isso significa que a psicologia tem uma ligação vital e tangível com o seu próprio passado, um vínculo que muitos psicólogos consideram satisfatório e útil explorar.
O interesse dos psicólogos pela história do seu campo levou à sua formalização como área de estudo. Da mesma maneira como há psicólogos que se especializam
em problemas sociais, questões psicofisiológicas, comportamento anormal ou desenvolvimento do adolescente, há também os que se especializam na história da psicologia.
Em 1965, foi criada uma revista multidisciplinar, o Journal of the Hístory of the Behavioral Sciences, cujo editor era um psicólogo. Nesse mesmo ano, foram fundados os Archives of the Hístory of American Psychology, na Universidade de Akron, Ohio, para servir às necessidades dos pesquisadores mediante a reunião e preservação de dados de pesquisa sobre a história da psicologia. Em 1966, foi formada no âmbito da APA a Divisão de História da Psicologia (Divisão 26),
e, em 1969, foi fundada a International Society for the History of the Behavioral and Social Sciences (a Oleiron Society). Organizações para o estudo da
história da psicologia têm sido estabeleci das no Canadá, na Grã-Bretanha, na Alemanha e em outros países. Várias universidades oferecem pós-graduação em história da psicologia, e há um programa de doutorado nessa área na Universidade de New Hampshire. O aumento do número de manuais, monografias, biografias, artigos de revistas, encontros profissionais, obras traduzidas e fontes de pesquisa em arquivo reflete a importância
que os psicólogos atribuem ao estudo da história da psicologia.
"Isso tem algum interesse", você pode estar pensando, "mas por que concluir que eu tenho de estudar a história da psicologia?" Considere o que você aprendeu em outros cursos de psicologia: não há uma única forma, abordagem ou definição particulares da psicologia moderna com que concordem todos os psicólogos.
Em vez disso, vemos uma enorme diversidade, e até desacordo e fragmentação, tanto em termos de especializações científicas e profissionais como em termos de objeto de estudo.
Alguns psicólogos concentram-se em processos cognitivos, outros estão voltados para forças inconscientes, e há ainda os que trabalham com o comportamento observável ou com fatores fisiológicos e bioquímicos. A psicologia contemporânea abrange muitas áreas que pouco parecem ter em comum além de um interesse, expresso em termos amplos, pela natureza e pela conduta humanas e de uma abordagem que tenta, de alguma maneira, ser científica.
O eixo de referência que vincula essas áreas e abordagens distintas é a história, a “evolução da disciplina psicologia. Somente examinando suas origens e estudando o seu desenvolvimento ao longo do tempo podemos ver com clareza, e no contexto, a diversidade da psicologia moderna. O conhecimento da história pode trazer ordem à desordem e produzir sentido a partir do caos; permite enxergar o passado com mais clareza e explicar o presente”.
Muitos psicólogos acreditam numa técnica que aceita a influência do passado na formação do presente, e a praticam. Os psicólogos clínicos, por exemplo, tentam compreender o problema dos seus pacientes mediante o exame do passado, das forças e eventos que podem tê-los levado a agir ou a pensar de certas
maneiras. Compilando histórias de caso, os clínicos reconstroem a evolução da vida dos pacientes, num processo que, com freqüência, permite explicações de comportamentos atuais. Os psicólogos do comportamento também aceitam a influência do passado na formação do presente; de modo geral, eles acreditam
que o comportamento é determinado por experiências precedentes de condicionamento e de reforço, que o estado atual do organismo é explicado pela sua história.
O mesmo ocorre com a disciplina da psicologia. O conhecimento da sua história vai ajudá-lo a integrar as áreas e problemáticas que constituem a psicologia moderna. Você pode reconhecer as relações entre várias idéias; teorias e projetos de pesquisa, bem como compreender como elementos distintos da psicologia (e, em alguns casos, aparentemente não relacionados entre si) se tomam compatíveis diante do padrão do seu desenvolvimento histórico. Assim poderíamos descrever a história da psicologia como uma história de caso, examinando os eventos e as experiências antecedentes lhe deram a face que ela tem hoje.
Por fim: a história da psicologia é por si só uma narrativa fascinante, a qual não faltam o drama, a tragédia e as idéias revolucionárias. As histórias desses homens e mulheres e de suas crenças oferecem a possibilidade de se avaliar o substancial progresso alcançado em termos de conhecimento e metodologia, no período relativamente curto transcorrido desde que a psicologia se tornou uma disciplina independente. Houve falsos começos, erros e concepções equivocadas, mas, de modo geral, há uma continuidade que moldou a psicologia contemporânea e que nos fornece uma  explicação da sua atual riqueza e diversidade.

Os Dados da História

Os dados da história -o material que os historiadores usam para reconstruir vidas, eventos e eras -diferem em muito  dos dados da ciência. A característica mais distintiva dos dados científicos é o modo como são reunidos. Quando os psicólogos desejam descobrir, por exemplo, as condições nas quais algumas pessoas
ajudam outras que aparentemente sofrem, ou os modos pelos quais diferentes programas de reforço influenciam o  comportamento de animais de laboratório, ou ainda se as crianças imitam ou não o comportamento agressivo que observam em outras pessoas, costumam construir  situações ou estabelecer condições a partir das quais sejam gerados dados. Eles podem fazer um experimento de laboratório, observar sistematicamente o  comportamento em condições controladas
no mundo real, aplicar um questionário, ou determinar a correlação entre duas variáveis. Ao usar essas abordagens,  os cientistas moldam as situações ou eventos que desejam estudar; as situações e os eventos podem ser reconstruídos ou reproduzidos por outros cientistas  que trabalhem em outros lugares e momentos. Os dados da ciência da psicologia podem ser verificados mediante o estabelecimento de condições  semelhantes às do estudo original e a repetição da observação.
Os dados da história, contrariamente, não podem ser  reconstruídos nem reproduzidos. Cada evento ou situação de  interesse aconteceu em algum momento do passado –talvez há séculos-, e os historiadores da época podem não ter registrado todos os detalhes do evento já tal  como se desenrolaram. Michael Wertheimer,
historiador de psicologia da Universidade do Colorado, escreveu que "a história é uma questão de tudo ou nada; algo  aconteceu um dia e ponto final -você não pode trazer os eventos passados até o presente para estudá-los, nem pode fazer isso à vontade com os seus  determinantes e efeitos, dando-lhes esta
ou aquela forma, tal como se pode fazer no laboratório com alguma afirmação científica" (Wertheimer, 1979, p. I).
O incidente histórico em si perdeu-se de vista. Como, então, podem os historiadores abordá-lo? Que dados se podem  usar para elaborar um relato a respeito dele? E como poderia alguém nos contar tudo o que aconteceu? Não é porque os historiadores não podem reproduzir uma  situação e gerar dados pertinentes que os dados não existem. Os dados da história estão a nossa disposição na forma de fragmentos de eventos passado,  tais como descrições feitas por participantes ou testemunhas, cartas e diários, ou relatos oficiais. É a partir desses fragmentos de dados que os historiadores  tentam recriar os eventos e as pessoas do passado.
A abordagem histórica da psicologia é semelhante à dos arqueólogos que trabalhando com fragmentos de civilizações passadas – tais como ponta de flechas, vasos quebrados ou ossos humanos – tentam descrever características dessas civilizações. Algumas escavações  arqueológicas geram dados mais completos (mais
fragmentos) do que outras, permitindo reconstruções mais precisas. Do mesmo modo, no caso das escavações históricas, a quantidade de dados pode ser grande o bastante para deixar poucas dúvidas sobre a precisão da reconstrução.
As vezes contudo os dados históricos são incompletos.Eles podem ter se perdido, ter sido deliberadamente suprimidos, distorcidos por um participante ou um pesquisador motivados por interesse pessoais, ou traduzidos de maneira imprecisa. A história da psicologia contém  muitos exemplos incompletos ou, talvez, imprecisos de produção da verdade histórica.
Falemos antes de tudo, dos dados que se perderam. Ocorreu que por vezes de importantes documentos pessoais terem ficado perdidos durante décadas antes de serem descobertos.  Em 1984, uma extensa coleção de documentos de Hermann Ebbinghaus -que se destacou no estudo da  aprendizagem e da memória -foi descoberta,
cerca de setenta e cinco anos depois da sua morte. Em 1983, foram descobertas dez grandes caixas contendo os diários manuscritos de Gustav Feclmer, o cientista que desenvolveu a psicofísica. Esses diários referiam-se ao período de 1828 a 1879, época de grande significação na  história inicial da psicologia. Contudo, por mais de cem anos, os psicólogos não sabiam da existência desses diários. Autores que não tiveram acesso a essas  importantes coleções de documentos haviam escrito livros sobre esses pesquisadores e sobre a sua obra. A descoberta desses novos fragmentos de história  representa a possibilidade de encaixar mais peças no quebra-cabeça.
Outros dados podem ser deliberadamente ocultados do público  modificados de várias maneiras para proteger a imagem  ou a reputação da pessoa envolvida. O primeiro biógrafo de Sigmund Freud, Ernest Jones, minimizou o uso de cocaína por Freud, comentando numa carta a uma  colega: “Temo que Freud tenha usado
mais cocaína do que deveria, embora eu não vá mencionar isso (na minha biografia)" (Isbister, 1985, p. 35). Como  veremos no Capítulo 13, dados revelados mais recentemente confirmam que Freud usou cocaína em sua vida pessoal por um período superior ao que Jones estava  disposto a admitir publicamente por escrito.
Outro caso de supressão de dados foi descoberto no decorrer de uma investigação sobre o psicólogo gestaltista  Wolfgang Kõh1er e suas atividades durante a Primeira Guerra Mundial. "Com base na amostra de documentos que li", relatou o pesquisador, "fiquei com a  impressão de que tinham sido cuidadosamente selecionados para apresentar um perfil favorável de K. Os documentos revelavam as belas coisas que ele disse e as  lisonjas que lhe foram dirigidas" (Ley, 1990, p. 197). &se caso ilustra uma das dificuldades enfrentadas por um pesquisador que tenha de julgar a validade  de dados históricos: o documento é uma representação precisa da vida e da obra de um indivíduo ou foi escolhido para promover uma imagem particular  -positiva ou negativa?
Para um exemplo final de fragmentos de dados suprimidos, voltemos a Sigmund Freud. Ele morreu em 1939 e, desde a sua morte, muitos dos seus documentos e cartas foram liberados para pesquisa e publicados. Uma ampla coleção de documentos pessoais de Freud está guardada  na Biblioteca do Congresso em Washington, D.C.; a pedido do espólio de Freud, esses documentos só estarão disponíveis bem depois do início do próximo século.A razão declarada para essa restrição é proteger a privacidade dos pacientes de Freud e suas famílias, e talvez a do próprio Freud e de sua família. Os  psicólogos não têm idéia de como esses documentos vão afetar a nossa compreensão de Freud e sua obra. Talvez eles alterem de modo fundamental as nossas  percepções ou, quem sabe, em nada mudem o nosso conhecimento. Mas, até que estejam disponível para estudo, a história de uma das figuras fundamentais da  psicologia vai permanecer incompleta e, possivelmente, imprecisa.
Outro problema que afeta os dados da história vincula-se às informações que chegam de forma distorcida ao  historiador nesses casos, os dados estão disponíveis, mas foram mudados de alguma maneira, talvez devido a uma tradução errada ou a distorções introduzidas por um  participante no registro de suas próprias
atividades. .
Podemos recorrer de novo à vida e à obra de Freud para ver alguns exemplos dos efeitos enganosos das traduções.  Somente poucos psicólogos e estudantes americanos têm suficiente fluência em alemão para ler Freud no original. A maioria de nós depende do que o tradutor escolhe  como as palavras e frases mais adequadas ou equivalentes, mas a correspondência entre a tradução e o sentido pretendido pelo autor nem sempre é exata.
Três conceitos fundamentais da teoria freudiana sobre a estrutura da personalidade são o id, o ego e o superego,  termos que você conhece. Não obstante, eles não transmitem com precisão as idéias de Freud. São os equivalentes latinos I das palavras usadas por Freud em alemão: ego para Ich (eu), id para & (isso) e superego para Ober-Ich (sobre-eu).
Freud pretendia indicar algo bastante íntimo e pessoal ao usar Ich (eu) e distingui-lo claramente de & (isso), que  representa uma coisa diferente do "eu" ou estranha a ele. “A tradução dos pronomes pessoais [a partir do alemão] pelos seus equivalentes latinos -o ‘ego’e  o 'id' -, em vez dos equivalentes em inglês, transformou-se em termos técnicos frios que não despertam quaisquer associações pessoais" (Bettelheim, 1982,  p. 53). A distinção entre "eu" e "mim", por um lado, e "isso" por outro lado não tem, na tradução, a força do original. Na verdade, diz-se que Freud teria falado que "não devia ter escrito Das Ich und das &, porque & não pode ser traduzido para o inglês (paskauskas, 1988, p. 119). Consideremos a bem-conhecida  expressão freudiana associação livre. Aqui, a palavra associação implica um vínculo ou conexão consciente entre uma idéia ou pensamento e outra, como se cada qual agisse  como um estímulo para fazer surgir à próxima palavra numa seqüência. Mas não era isso o que Freud achava. O termo que usou em alemão foi Einfa/l, que não  significa associação, mas intrusão ou invasão, e Freud usou a palavra para denotar algo que vem do inconsciente e que se intromete de maneira  incontrolável no pensamento consciente ou o invade.
Essas diferenças de sentido são consideradas por alguns psicólogos pequenas e sutis, mas nem por isso deixam de ser  alterações. Os dados -as palavras exatas de Freud -não foram registrados pelos historiadores tal como escritos, tendo passado por alguma distorção no  processo de tradução.
Um provérbio italiano -"Traduzir é trair" -exprime essa idéia de modo sucinto (8aars, 1986, p. 735: Historiadores  que confiam em traduções podem estar manuseando fragmentos de dados imprecisos ou distorcidos. Na década de 80, a Sociedade Psicanalítica Britânica recomendou que a  tradução standard das obras de Freud fosse radicalmente revista, por considerar que ela apresentava uma visão distorcida de suas idéias (Holder, 1988). )
Os dados da história também podem ser afetados pelas ações dos participantes nos eventos registrados. Consciente ou  inconscientemente; eles podem conduzir seus relatos de uma maneira que os proteja ou promova sua imagem pública. 8. F. Skinner, o destacado psicólogo comportamentalista,  descreveu na sua autobiografia a rigorosa autodisciplina de sua época de estudante na Universidade Harvard no fina dos anos 20. O parágrafo a seguir é citado  com freqüência em biografias de Skinner:

Eu me levantava as seis, estudava até a hora do café, ia às aulas, aos laboratórios e às bibliotecas, e não tinha  mais de quinze minutos não programados durante o dia. Estudava até as nove da noite em ponto e ia dormir. Eu não via filmes nem peças de teatro, raramente  ia a concertos, pouquíssimas vezes tinha encontros amorosos e não lia senão psicologia e fisiologia (Skinner, 1967, p. 398).

Essa descrição parece ser um útil fragmento de dado por indicarem facetas do caráter de Skinner. Doze anos depois da publicação dessas lembranças de sua rotina diária, e cinqüenta e cinco depois do período descrito, Skinner negou que sua época de graduação tivesse sido  tão espartana e difícil quanto ele mesmo sugerira. Referindo-se à passagem citada, ele escreveu: "Eu estava me lembrando de uma pose, e não da vida que  de fato levava" (Skinner, 1979)
Embora os dias de escola de Skinner tenham pouca importância para a história da psicologia, as duas versões  publicadas, ambas escritas pelo participante, dão uma idéia da dificuldade enfrentada pelos historiadores. Que conjunto de dados, que versão de um incidente é  mais precisa? Que caracterização está mais próxima da realidade? O que está viciado pelas divagações, ou pela natureza seletiva e egoísta da memória? E  como vamos saber?
Em alguns casos, é possível descobrir dados comprobatórios junto a colegas ou observadores. Se o regime escolar de  Skinner fosse muito significativo para os historiadores da psicologia, estes tentariam localizar os colegas de Skinner, ou ao menos seus diários ou cartas,  e comparar essas lembranças do comportamento de Skinner em Harvard com as suas próprias. Algumas distorções na história podem ser investigadas e resolvidas por  meio de consultas a fontes adicionais.
Isso ocorreu com algumas inconsistências nas descrições de certos aspectos da vida e da obra de Freud. Freud gostava de se apresentar como um mártir da causa psicanalítica, um visionário que encontrava constantes oposições, desdém, rejeição e vilipêndios. Seu primeiro  biógrafo, Ernest Jones, fez eco a essas afinações. Dados descobertos mais tarde indicam que os dois estavam errados. Longe de serem ignoradas, as  idéias de Freud, por volta de 1906, tinham começado a exercer uma imensa influência na geração mais jovem de intelectuais vienenses. O consultório particular  de Freud era bastante concorrido, podendo-se até descrevê-lo, em termos modernos, como uma espécie de celebridade.
Durante anos acreditou-se que o importante livro de Freud A Interpretação dos Sonhos (1900) tivesse sido quase  totalmente desconsiderado e que, nas raras ocasiões em que merecia comentário, fosse severamente criticado. Na realidade, o livro recebeu um amplo  reconhecimento em revistas profissionais de filosofia, psicologia, psiquiatria e medicina, bem como em revistas e jornais populares de Viena, de Berlim e de outras  importantes cidades européias. Muitos dos comentários louvavam o livro (Ellenberger, 1970). O próprio Freud distorcera o registro, e as distorções foram  perpetuadas por inúmeros biógrafos. Essa falsa impressão encontra-se agora corrigida; mas por décadas, até que novos fragmentos de dados tivessem sido  desenterrados, esse aspecto da compreensão que temos de Freud foi impreciso.
O que sugerem para o estudo da história da psicologia esses problemas com os dados históricos? Eles revelam  principalmente que a história, em vez de estática ou estagnada, é dinâmica, em constante mutação e crescimento; que está sendo aprimorada ou aperfeiçoada sempre que  novos dados são descobertos e concepções
errôneas são corrigidas. A história nunca pode ser considerada acabada nem completa, pois está sempre em andamento,  sem final. A história contada pelo historiador só pode aproximar-se ou arranhar a superfície da verdade, mas o fazem mais plenamente a cada ano que  passa, a cada nova descoberta e a cada aprimoramento dos fragmentos que constituem os seus dados.

Forças Contextuais na Psicologia

A psicologia não se desenvolveu no vácuo, sujeita apenas a influências interiores. Ela é parte da cultura mais ampla em que funciona, estando portanto exposta a influências externas que moldam a sua natureza e a sua direção de maneiras significativas. Uma compreensão  adequada da história da psicologia tem de considerar o contexto em que a disciplina surgiu e se desenvolveu -as forças sociais, econômicas e políticas que  caracterizam diferentes épocas e lugares
(ver Altman, 1987; Furumoto, 1989).
Veremos ao longo deste livro exemplos de como essas várias forças contextuais influenciaram o passado da psicologia  e continuam a afetar o seu presente.
Mencionemos brevemente aqui o impacto de três dessas forças: oportunidades econômicas, guerras e discriminação.
Nos primeiros anos do século XX, a natureza da psicologia americana e o tipo de trabalho que muitos psicólogos  faziam sofreram uma drástica mudança, basicamente como resultado de oportunidades econômicas. O foco da psicologia americana passou da pesquisa pura do laboratório  universitário para a aplicação do conhecimento e das técnicas psicológicas a problemas do mundo real. A explicação essencial dessa mudança foi prática. Como disse um psicólogo, "tomei-me psicólogo aplicado para ganhar a vida" (O'Donne", 1985, p. 225).
Embora o número de laboratórios de psicologia nos Estados Unidos estivesse crescendo consistentemente perto do fInal do século XIX, aumentava também o número de psicólogos com doutoramento (Ph.D.), competindo por empregos nesses laboratórios. Na virada do século, havia três  vezes mais psicólogos nos Estados
Unidos do que laboratórios de pesquisa em que eles pudessem encontrar colocação. Felizmente, mais cargos docentes  vinham se tomando disponíveis nas instituições estaduais criadas no Meio-Oeste e no Oeste; mas, na maioria dessas universidades, a psicologia, na qualidade de  ciência mais nova, recebia a menor parcela dos recursos financeiros. Em comparação com outras disciplinas mais antigas, a psicologia sempre ficava em último  lugar nas alocações anuais; havia pouco dinheiro para projetos de pesquisa, equipamentos de laboratório e salários de professores.
Os psicólogos logo perceberam que, se desejassem que um dia seus departamentos acadêmicos, orçamentos e rendas  crescessem, teriam de demonstrar aos administradores universitários e aos legisladores que votavam as alocações de recursos a utilidade que a psicologia poderia ter na  solução de problemas sociais, educacionais e industriais. Desse modo, com o tempo, os departamentos de psicologia passaram a ser julgado com base no seu valor  prático.
Ao mesmo tempo, como decorrência do fato de uma nova e importante força social estar varrendo os Estados Unidos,  apresentou-se uma atraente oportunidade de aplicação da psicologia a um problema prático. Devido ao influxo de imigrantes para os Estados Unidos perto da  virada do século, e à sua alta taxa de natalidade, a educação pública tomara-se uma indústria em crescimento. Entre 1890 e 1918, as matrículas em escolas  públicas tiveram um aumento de 700%, sendo construídas em todo o país novas escolas públicas à proporção de uma por dia. Gastou-se na época mais dinheiro  em educação do que nos programas militar e de bem-estar social juntos.
Muitos psicólogos aproveitaram essa situação e buscaram maneiras de aplicar o seu conhecimento e os seus métodos de  pesquisa à educação. Esse foi o começo de uma rápida mudança de ênfase na psicologia americana -do experimentalismo do laboratório acadêmico para a  aplicação da psicologia à aprendizagem, ao ensino e a outras questões práticas de sala de aula.
As guerras foram outra força contextual que ajudou a moldar a psicologia. As experiências de psicólogos que colaboraram com o esforço de guerra dos Estados Unidos na Primeira e na Segunda Guerra Mundiais aceleraram o desenvolvimento da psicologia aplicada e estenderam a  sua influência a setores como a seleção de pessoal, os testes e a engenharia psicológica.Esse trabalho demonstrou à comunidade psicológica, bem como ao  público mais amplo, quão útil podia ser a psicologia na resolução de problemas da vida cotidiana.
A Segunda Guerra Mundial também modificou a face e o destino da psicologia na Europa -particularmente na Alemanha,  onde nasceu a psicologia experimental,
e na Áustria, berço da psicanálise. Muitos psicólogos destacados fugiram da ameaça nazista nos anos 30, e a maioria  deles foi para os Estados Unidos. O exílio e a emigração abruptos e forçados marcaram a fase final da mudança do domínio da psicologia do Velho para o  Novo Mundo.
A guerra influenciou as posições teóricas de psicólogos individuais. (Depois de testemunhar a carnificina da Primeira Guerra Sigmund Freud foi levado a propor a agressão como uma força motivadora tão importante para a vida humana quanto o sexo; o que representou uma enorme mudança em seu sistema de psicanálise.
Erich Fromm atribuiu seu interesse pelo estudo do comportamento irracional e anormal ao fato de ter observado o fanatismo que tomou), conta  de sua Alemanha natal durante a Primeira Guerra.
     Um terceiro fator contextual é a discriminação e o preconceito, que por muitos anos determinaram quem podia tornar-se psicólogo e onde cada profissional poderia trabalhar.
 Durante décadas, os afros americanos foram amplamente excluídos da Psicologia e da maioria dos campos que exigiam estudo acadêmico avançados. Até a década de 40, apenas quatro Universidades para negros dos Estados Unidos ofereciam graduação em psicologia, e poucas Universidades admitiam homens e mulheres negros como alunos de pós-graduação. Entre 1920 e 1966, os dez mais prestigiosos departamentos de psicologia americanos concederam somente oito títulos de doutor a afro-americanos; nesses mesmos anos, quase quatro mil doutorados foram concedidos a brancos (Guthrie, 1976).
Os judeus também foram vítimas de discriminação, especialmente na primeira metade da história da psicologia. O final dos anos 1800 testemunhou a fundação da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, Maryland, e da Universidade Clark em Worcester, Massachusetts, importantes instituições nos primórdios da história da psicologia. Sua política geral era excluir professores judeus do corpo docente. E, mesmo na segunda metade do século XX, judeus e judias ainda enfrentavam cotas de admissão na maioria das faculdades. Os que conseguiam o doutorado encontravam dificuldades para obter empregos acadêmicos. Julian Rotter, hoje um importante teórico da personalidade, disse que, quando recebeu seu Ph.D., em 1941, "fora alertado para o fato de que os judeus simplesmente não podiam conseguir empregos acadêmicos, pouco importando as suas credenciais" (Rotter, 1982, p. 346). Como muitos outros psicólogos judeus da época, Rotter começou sua carreira profissional como empregado de um hospital público de doenças mentais, e não de uma universidade.
Um extenso preconceito contra as mulheres tem se manifestado ao longo de quase toda a história da psicologia. Veremos neste livro exemplos de mulheres que tiveram negado seu ingresso em programas de pós-graduação ou foram excluídas de posições docentes. Mesmo quando conseguiam esses cargos, as mulheres recebiam salários menores, e enfrentavam barreiras à promoção e a cargos de chefia. Sandra Scarr, psicóloga do desenvolvimento e professora da Universidade da Virgínia, relembra sua entrevista de admissão à Universidade Harvard em 1960. Ela ouviu de Gordon Allport, um eminente psicólogo social, que "odiamos aceitar mulheres aqui”. Setenta e cinco por cento de vocês se casam, têm filhos e nunca acabam o curso, e o resto, de qualquer maneira, nunca consegue nada mesmo" (Scarr, 1987, p. 26).
Esses e outros exemplos citados adiante mostram o impacto de forças econômicas, políticas e sociais sobre o desenvolvimento da psicologia moderna. A história da psicologia foi moldada não apenas pelas idéias, teorias e pesquisas de seus grandes lideres, mas também por influências externas -forças contextuais sobre as quais teve pouco controle.

Concepções da História Científica:
Personalista e Naturalista

Duas abordagens podem ser adotadas para explicar como a ciência psicológica se desenvolveu: a teoria personalista e a teoria naturalista. A teoria personalista da história científica, concentra-senas realizações  contribuições monumentais de certos indivíduos. Nos termos dessa concepção, o progresso e a mudança; são diretamente atribuíveis à vontade e à força de pessoas ímpares que mapearam e modificaram o curso da história. Um Napoleão, um Hitler ou um Darwin foi, assim diz essa teoria, forças motrizes e plasmadoras de grandes eventos. A teoria personalista afirma implicitamente que eventos particulares não teriam ocorrido sem a participação dessas figuras singulares. Ela diz, na verdade, que a pessoa faz a época.
A primeira vista, parece evidente que a ciência é de fato a obra de homens e mulheres criativos, talentosos e inteligentes que determinaram a sua direção. Costumamos definir uma época pelo nome da pessoa cujas descobertas, teorias ou outras contribuições marcaram o período. Falamos da física "depois de Einstein", da escultura "depois de Michelangelo" e da psicologia "depois de Watson". É óbvio, tanto na ciência como na cultura em gemi, que indivíduos produziram mudanças dramáticas -e às vezes traumáticas -que alteraram o curso da história. Basta pensar em Sigmund Freud para reconhecer a verdade disso.
Por conseguinte, a teoria personalista tem méritos, mas nem por isso é suficiente para explicar o desenvolvimento de uma ciência ou de uma sociedade. A obra de cientistas, filósofos e eruditos é muitas vezes ignorada ou negada num dado período de tempo, apenas para ser reconhecida bem depois. Essas ocorrências implicam que a época determinava se uma idéia vai ser seguida ou desdenhada, louvada ou esquecida. A história da ciência está repleta de exemplos de rejeição as novas descobertas e percepções. Mesmo os maiores intelectos (talvez especialmente os maiores) foram constrangidos por um fator contextual chamado Zeitgeist, o espírito ou clima intelectual de uma época. A aceitação e aplicação de uma descoberta pode ser limitada pelo padrão  dominante  de pensamento de uma cultura, de uma região ou de uma época, mas uma idéia demasiado nova para ser aceita num período pode sê-lo prontamente uma geração ou um século depois. A mudança lenta parece ser a regra do progresso científico.
Assim sendo,a noção de que pessoa faz a época não é inteiramente correta. Talvez como diária a teoria naturalista da história científica, a época faça a pessoa, ao menos possibilite e reconhecimento daquilo que  uma pessoa tenha a dizer. A não ser que o Zeitgeist esteja pronto para a idéia nova, o seu esteja pronto para a idéia nova, o seu proponente pode não ser ouvido; pode ser alvo de zombaria ou mesmo de condenação à morte. Isso também depende do Zeitgeist.
A teoria naturalista sugere, por exemplo, que se Darwin tivesse morrido na juventude ainda assim uma teoria da evolução teria sido formulada na metade do século dezenove. Alguma outra pessoa teria proposto, porque o Zeitgeist estava pedindo uma nova maneira de considerar a origem da espécie humana. (Veremos no Capítulo 6 que uma outra pessoa de fato propôs essa teoria.).
A capacidade inibidora ou retardadora do Zeitgeist opera não somente no nível da cultura, mas também no âmbito da própria ciência, onde os seus efeitos podem ser ainda mais pronunciados. Muitas descobertas científicas permaneceram adormecidas por um longo tempo, sendo então redescobertas e acolhidas. O conceito da resposta condicionada foi sugerido por Robert Whytt, um cientista escocês, em 1763, mas ninguém estava interessado nisso na época. Mais de um século depois, quando os pesquisadores do campo da psicologia estavam adotando métodos mais objetivos o fisiologista russo Ivan Pavlov reelaborou as observações de Whytt, e as ampliou tornando-as a base de um novo sistema de psicologia. Uma descoberta tem freqüência de esperar a sua época. "Não há muitas coisas novas neste mundo", observou um psicólogo, "e certamente não muita coisa nova acerca da natureza psicológica dos seres humanos. O que passa atualmente por descoberta tende a ser a redescoberta, por um dado cientista, de algum fenômeno já bem estabelecido" (Gazzaniga, 1988, p. 231).
Exemplos descobertas simultâneas independentes também sustentam a teoria naturalista da historia. Descobertas semelhantes têm sido feitas por pessoas que trabalham bem distantes em termos geográficos, muitas vezes sem que uma conheça o trabalho da outra. Em 1900, três pesquisadores que não se conheciam redescobriram coincidentemente o trabalho do botânico austríaco Gregor Mendel, cujos escritos sobre a genética vinham sendo amplamente ignorados há trinta e cinco anos.
Posições teóricas populares e correntes num campo científico costumam obstruir ou interditar a consideração de novos pontos de vista. Uma teoria pode dominar uma disciplina a tal ponto que as pesquisas de um novo método ou linha de investigação ficam impossibilitadas. Uma teoria consagrada também pode determinar o modo pelos quais fenômenos ou dados são organizados e examinados o que pode evitar que cientistas considerem os dados a partir de outras perspectivas; "É a teoria", disse Albert Einstein, "que determina o que podemos observar" (Broad e Wade, 1982, p. 138).
Além disso, uma teoria dominante pode determinar o tipo de resultados de pesquisas que são publicados nas revistas científicas. Descobertas que contradigam as visões prevalecentes ou se oponham a elas podem ser rejeitadas pelos editores das revistas, que, inadvertida ou deliberadamente, funcionam, nesses casos, como censores. Eles podem fazer prevalecer a conformidade ao recusar ou trivializar uma idéia revolucionária ou uma interpretação incomum.
Um exemplo disso ocorreu na década de 70, quando o psicólogo John Garcia tentou publicar os resultados de uma pesquisa que desafiava a teoria E-R (estímulo-resposta) da aprendizagem vigente (Lubek e Apfelbaum, 1987). As revistas da corrente dominante se recusaram a aceitar os artigos de Garcia, embora o trabalho fosse considerado bem feito e já tivesse recebido reconhecimento profissional e prestigiosos prêmios. Ele terminou por publicar suas descobertas em revistas menos conhecidas, de menor circulação, o que retardou a disseminação de suas idéias junto a um público mais amplo.
O Zeitgeist no âmbito de uma ciência pode ter um efeito inibidor sobre os métodos de investigação, as formulações teóricas e a definição do objeto de estudo da disciplina. Descreveremos nos próximos capítulos a tendência vigente no início da psicologia científica de concentrar-se na consciência e nos aspectos subjetivos da natureza humana. Mesmo quando os seus métodos se tomaram mais objetivos e precisos, o foco de estudo da psicologia continuou a ser subjetivo.
A psicologia teria de esperar a década de 20 para finalmente mudar de direção. Contudo, meio século mais tarde, sob o impacto de um Zeitgeist distinto, a psicologia começou a retomar a consciência como foco de estudo, respondendo continuamente ao clima intelectual em mutação da época.
É fácil compreender essa situação a partir de uma analogia com a evolução de uma espécie viva. Tanto uma ciência como uma espécie viva muda ou evoluem em resposta às condições e exigências do ambiente. O que acontece com uma espécie ao longo do tempo? Muito pouco, enquanto o seu ambiente permanece essencialmente constante. Quando o ambiente muda, no entanto, a espécie deve adaptar-se às novas condições ou enfrentar a possibilidade de extinção.
Suponha que o clima tenha ficado significativamente mais frio ou que as águas costeiras tenham ficado estéreis. Para sobreviver, os animais das áreas afetadas têm de alterar suas formas. uma espécie sem pêlos, por exemplo, precisará desenvolvê-los para enfrentar temperaturas mais frias; uma espécie de pernas curtas precisará tomar-se uma espécie de pernas longas se o alimento antes disponível em águas rasas só for encontrado em águas mais fundas. Algumas espécies não se adaptaram às mudanças ambientais, e a ciência só conhece seus vestígios históricos. Outras modificaram sua forma de alguma maneira, mantendo, porém características básicas; nesses casos, as formas mais novas revelam claramente seu vínculo com as mais antigas. Outras ainda se modificam tão radicalmente que se tornam novas espécies, e sua relação com os predecessores não são tão evidentes. Por mais branda ou extrema que seja a alteração, o importante é que as espécies vivas podem adaptar-se às exigências ambientais. Quanto mais o ambiente muda, tanto mais a espécie deve transformar-se.
Consideremos o paralelo com a evolução de uma ciência. &ta última também existe no contexto de um ambiente ao qual deve reagir. O ambiente de uma ciência, seu Zeitgeist, não é tanto físico quanto intelectual. Mas, tal como o ambiente físico, o Zeitgeist está sujeito a mudanças. O clima intelectual que caracteriza uma geração ou século pode ser totalmente diferente na seguinte. Isso ocorreu, por exemplo, quando a crença em Deus e nos ensinamentos da Igreja estabelecida como fonte de todo conhecimento humano foi substituída pela crença na razão e na ciência.
Esse processo evolutivo marca toda a história da psicologia. Quando o Zeitgeist  favorecia a especulação, a meditação e a intuição como caminhos para a verdade, a psicologia também dava preferência a esses métodos. Quando o espírito da época ditava uma abordagem observacional e experimental da verdade os métodos da psicologia seguiam essa direção. Quando uma forma de psicologia se encontrava em dois climas intelectuais diferentes, ela se tornava duas espécies de psicologia; quando a forma alemã inicial de psicologia emigrou para os Estados Unidos, foi modificada para tomar-se uma psicologia peculiarmente americana, enquanto a psicologia que permaneceu na Alemanha teve uma evolução distinta.
A nossa ênfase no Zeitgeist não nega a importância dos grandes homens e mulheres da história da ciência; contudo, ela nos impõe considerá-los numa perspectiva diferente. Um Copérnico ou uma Marie Curie não modifica sozinhos o curso da história pela pura força do seu gênio. O sujeito faz isso apenas por  que o caminho já está limpo. Veremos que isso seja aplicado a todas as grandes figuras da história da psicologia.
Assim, parece claro que, embora a evolução da psicologia deva ser considerada em termos das teorias personalista e naturalista da história, o Zeitgeist parece ter o papel mais importante. Por mais valiosas que suas contribuições sejam consideradas hoje, se as figuras significativas da história e da ciência tivessem tido idéias demasiado distantes do clima intelectual de sua época, suas percepções teriam desaparecido na obscuridade. O trabalho criativo individual se parece mais com um prisma que difunde, elabora e magnífica o espírito da época – do que com um farol, embora um e outro lancem luz no caminho à frente.

As Escolas de Pensamento: Marcos do Desenvolvimento da Psicologia Moderna

Nos primeiros anos da evolução da psicologia como disciplina científica distinta, no último quarto do século XIX, a direção da nova psicologia foi profundamente influenciada por Wilhelm Wundt, que tinha idéias definidas sobre a forma que essa nova ciência -sua nova ciência -deveria tomar. Ele determinou o objeto de estudo, o método de pesquisa, os tópicos a serem estudados e os objetivos da nova ciência. Ele foi, é claro, afetado pelo espírito de sua época e pelo pensamento então vigente na filosofia e na fisiologia. Não obstante, foi Wundt, em seu papel de agente de uma época, que reuniu as várias linhas de pensamento.
Mediante a força de sua personalidade e de sua intensa atividade de escrita e pesquisa ele moldou a nova psicologia. Por ser um influente promotor do inevitável, a psicologia foi por algum tempo feita à sua imagem.
Mas a situação logo mudou. Instalou-se a controvérsia entre os cada vez mais numerosos psicólogos. O Zeitgeist estava se modificando, e novas idéias eram formuladas em outras ciências e na cultura em geral. Alguns psicólogos, refletindo essas novas correntes de pensamento, passaram a discordar da versão de psicologia de Wundt e propuseram suas próprias concepções. Na virada do século, coexistiam várias posições sistemáticas ou escolas de pensamento, que eram, essencialmente, definições diferentes da natureza da psicologia.
O termo escola de pensamento refere-se a um grupo de psicólogos que se associam ideológica e, às vezes, geograficamente ao líder de um movimento. Em geral, os membros de uma escola trabalham em problemas comuns e compartilham uma orientação teórica ou sistemática. O surgimento de escolas de pensamento diferentes, e por vezes simultâneas, e o seu subseqüente declínio e substituição por outras são uma das características mais marcantes da história da psicologia.
O estágio do desenvolvimento de uma ciência em que ela ainda se acha dividida em escolas de pensamento tem sido denominado estágio pré-paradigmático. (Um paradigma um modelo ou padrão -tem sido descrito nesse contexto como um modo reconhecido de pensar, no âmbito de uma disciplina científica, que fornece, por algum tempo, as perguntas e respostas essenciais aos pesquisadores do campo em questão.) O estágio mais maduro ou avançado do desenvolvimento de uma ciência é alcançado quando ela já não se caracteriza por escolas de pensamento, ou seja, quando a maioria dos membros dessa disciplina chega a um consenso acerca de questões teóricas e metodológicas. Nesse estágio, um paradigma ou modelo comum define todo o campo, e deixam de haver facções concorrentes.
Na história da física, podemos ver paradigmas em ação. O conceito Galileu-newtoniano de mecanismo foi aceito pelos físicos por cerca de trezentos anos; no decorrer desse período, quase todos os trabalhos nesse campo foram realizados a partir desse referencial. Mas os paradigmas não são invioláveis. Eles podem mudar, e de fato mudam, assim que a maioria dos membros da disciplina aceita uma nova maneira de organizar o objeto de estudo ou de trabalhar com ele. Na física isso ocorreu quando o modelo em questão foi substituído pelo modelo einsteiniano. O eminente historiador da ciência Thomas Kuhn deu a esse processo de substituição de paradigmas o nome de revolução científica (Kuhn, 1970).
A psicologia ainda não atingiu o estágio paradigmático. Durante os mais de cem anos de sua história, ela tem buscado, acolhido e rejeitado diferentes definições, mas nenhum sistema ou ponto de vista individual conseguiu unificar as várias posições. O psicólogo cognitivista George Miller comentou que "nenhum método ou técnica-padrão integra o campo. Nem parece haver algum princípio científico fundamental comparável às leis do movimento de Newton, ou à teoria da evolução de Darwin" (Miller, 1985, p. 42). O campo permanece especializado, e cada grupo adere à sua própria orientação teórica e metodológica, abordando o estudo da natureza humana a partir de diferentes técnicas, e promovendo a si mesmo com jargões e revistas diferentes, e com todos os outros adereços de uma escola de pensamento.
As primeiras escolas de pensamento no campo da psicologia foram movimentos de protesto, até revolucionários, contra a posição sistemática prevalecente.
Cada escola assinalou o que considerava as limitações e falhas do sistema mais antigo e ofereceu novas definições, conceitos e estratégias de pesquisa para corrigir as fraquezas percebidas. Quando uma nova escola de pensamento atraía a atenção da comunidade científica, produzia-se a rejeição do ponto de vista antes festejado. Esses conflitos intelectuais entre posições antigas e novas, incompatíveis entre si, eram travados com ardorosa tenacidade por ambos os lados.
Muitas vezes, os líderes de uma escola anterior não se convertem por inteiro à nova escola de pensamento. Em geral mais velhos esses psicólogos estão por demais comprometidos, intelectual e emocionalmente, com a sua posição, para mudar. Muitos dos seguidores mais jovens e menos comprometidos passam a apoiar a nova posição, deixando os outros apegados às suas tradições e trabalhando num isolamento cada vez maior.
O físico Max Planck escreveu que' 'uma nova verdade científica não triunfa por convencer seus opositores e fazê-los ver a luz, mas sim porque estes terminaram por morrer, e uma nova geração vai crescendo familiarizada com ela “(planck, 1949, p. 33). "Como seria bom", escreveu Charles Darwin a um amigo, "se todo homem de ciência morresse aos sessenta anos, já que, depois disso, ele com certeza se opõe a todas as novas doutrinas" (Boorstin, 1983, p. 468).
No curso da história da psicologia, desenvolveram-se diferentes escolas de pensamento, sendo cada qual um protesto efetivo contra o que a precedia. Toda nova escola usa um modelo mais antigo como base contra a qual se opor e a partir da qual ganhar impulso. Cada posição proclama, em altos brados, o que não é e como difere do teórico sistema antigo. À medida que se desenvolve e obtém seguidores e influência, o novo sistema inspira oposição, e todo o processo de combate começa outra vez. O que começa como uma revolução pioneira e agressiva se torna, com o sucesso, a tradição estabeleceu da que então sucumbe diante da força vigorosa de um jovem e novo movimento. O sucesso destrói o vigor. Um movimento alimenta-se da oposição. Quando esta é derrotada, a paixão e o ardor do que foi um novo movimento morrem.
Embora tenha sido apenas temporário o domínio de ao menos algumas escolas de pensamento, cada uma delas desempenhou um papel vital no desenvolvimento da ciência psicológica. A influência das escolas ainda pode ser vista na psicologia contemporânea, mesmo que suas facções tenham pouca semelhança com os sistemas precedentes, porque mais uma vez novas doutrinas substituíram as antigas. Edna Heidbreder, uma destacada historiadora da psicologia, comparou a função das escolas de pensamento na psicologia com a dos andaimes usados para levantar um prédio alto (Heidbreder, 1933). Sem o andaime a partir do qual trabalhar, a estrutura não pode ser construída, mas o andaime não permanece; quando já não é necessário, ele é retirado. Do mesmo modo, a estrutura da psicologia
de hoje foi construída com o arcabouço e as diretrizes (os andaimes) estabelecidos pelas escolas anteriores de pensamento.
Não podemos considerar nenhuma escola de pensamento como a versão completa do fato científico. As escolas não são, em sentido algum, produtos acabados; em vez disso, elas oferecem o instrumental, os métodos e os esquemas conceituais que a psicologia emprega para acumular e organizar um corpo de fatos científicos.
Como observamos, a moderna ciência psicológica não atingiu a sua forma final. Novas escolas tomaram o lugar das antigas, mas nada garante a sua permanência no processo evolutivo da construção desta ciência. As escolas de pensamento são estágios temporários, embora necessários ao desenvolvimento da psicologia.
A melhor perspectiva para a compreensão do estimulante avanço da psicologia é a do desenvolvimento histórico de suas escolas de pensamento. Pessoas proeminentes
deram contribuições notáveis e fizeram pronunciamentos inspiradores, mas a importância da sua obra é mais perceptível quando considerada no contexto das idéias que precederam as suas, e que com freqüência serviram de base para as novas formulações, bem como no âmbito dos trabalhos que as seguiram.
Descrevemos os primórdios da psicologia experimental nos Capítulos 2 e 3. Capítulos subseqüentes discutem cada uma das principais escolas de pensamento em três níveis: (1) o desenvolvimento pré-científico da posição, incluindo a obra de pesquisadores pioneiros que desenvolveram seu trabalho sem usar o método experimental; (2) as primeiras tentativas de abordar problemas particulares usando os métodos da ciência; e (3) o estabelecimento formal de cada escola e seus derivativos contemporâneos.
A obra de Wilhelm Wundt e o seu fruto, as escolas de pensamento denominadas estruturalismo, se desenvolveram a partir dos trabalhos iniciais no campo da filosofia e da fisiologia. Seguiu-se a isso o funcionalismo, (comportamentalismo e a psicologia da Gestalt) que, ou evoluíram a partir do estruturalismo, ou se revoltaram contra ele. Num curso de tempo mais ou menos paralelo, embora sem analogia quanto ao objeto de estudo, aos métodos ou aos objetivos, a psicanálise (Capítulos 13 e 14) decorreu da reflexão filosófica sobre a natureza do inconsciente e das tentativas da psiquiatria no sentido de tratar os doentes mentais.
Tanto a psicanálise como o comportamentalismo gerou algumas sub-escolas. Na década de 50, desenvolveu-se o movimento da psicologia humanista como reação ao comportamentalismo e à psicanálise, incorporando princípios da psicologia da Gestalt. Por volta de 1960, o movimento da psicologia cognitivista desafiou com sucesso o comportamentalismo, e a definição da psicologia mudou outra vez. O principal aspecto dessa modificação foi o retomo ao estudo da consciência e de processos mentais ou cognitivos. A psicologia, que' 'perdera a cabeça “na revolução comportamental, recupera-a nesse momento esses acontecimentos estão descritos. Você vai ver que há uma progressão evidente no processo evolutivo que distingue a história da psicologia, um processo que continua em nossos dias”.

 

free hit counter